sexta-feira, 10 de abril de 2015

O Velho Lápis Staedtler e a vida




(*)(Abril /2015)
(Pintura a óleo sobre tela inspirada em pintura de Neil Nelson)


Errar é humano, mas quando a borracha se gasta mais do que o lápis, é porque estamos a exagerar...


(Inspirado em frase de J. Jenkis)





sexta-feira, 3 de abril de 2015

MARÉ VAZA - PAREDE (CASCAIS/PORTUGAL)




Água que corre para o mar...



Maré vaza

Memória de maré cheia, onda solta, e quebrando na escarpa...

Ao longe, os surfistas esperam as ondas que tardam em arrastá-los para a praia,

quais gaivotas saboreando o ondulado do mar.


(Parede - Abril/2015)


"Ó MAR SALGADO..." - Poema de Fernando Pessoa




(Praia da Parede - Abril/2015)



"Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu."


(Poema de Fernando Pessoa)




(Painel de azulejos - Colégio da Bafureira)
(Parede- Portugal)




quinta-feira, 2 de abril de 2015

CHORÕES SOBRE O MAR... S. PEDRO - (CASCAIS - PORTUGAL)










S. Pedro - Marginal de Cascais - (Lisboa/Portugal)
(Abril/2015)



As ondas que parecem abraços
Calorosos, afectuosos, apertados...
Trazem os salpicos que se espalham sobre os chorões.
Chorões de flor púrpura que despencam sobre o mar
Em cascatas densas que se lançam sobre a rocha.
Planta estrangeira, veio de longe lá da Austrália, até à nossa velhinha Europa,
Para trazer até nós as suas folhas carnudas e flores estreladas
Que invadem tudo mesmo o olhar que nos regalam.
Dizendo adeus aos barcos que se põem ao largo, 
Rumando, (quem sabe?!...), para a distante Austrália de onde os chorões partiram.





FIM DE TARDE NA PRAIA DE S. PEDRO - CASCAIS - (LISBOA/PORTUGAL)




















(Praia de S. Pedro) - (Abril/2015)